sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Ano novo, vida nova!

A frase mais clássica de todas.
Principalmente nos finais de ano.
É, porque será?

Mas, infelizmente, parece que quanto mais falada ela é, menos poder ela tem. É como se cada final de ano fosse uma barreira e quem não se esforçou para fazer tudo valer a pena, bate de cara nela. É como se cada final de ano fosse um enorme obstáculo que pouca gente consegue alcançar, porque empacávamos nas promessas. E quem disse que conseguimos sair delas?

Eu espero que eu consiga atingir minhas metas, porque esse ano de 2009 está me assustando. É o ano da responsabilidade, do desdobramento e da força de vontade. Apesar de eu já ter completado 18 anos, parece que a idade só fez efeito agora. Agora que a ficha caiu, me mostrando que tudo depende de mim: Faculdade, emprego e claro, a Beladona.

Terminei o ano organizada. Sem pendência nenhuma, com pessoas, com coisas e muito menos, com a locadora. Até porque, eu acho, que ela nem abriu no dia 30. Dizem que o que fazemos nos 12 primeiros dias do ano definem o que faremos nos outros 353 (Sim, eu usei a calculadora!).

Sou sobrenatural para tanta coisa, mas tão cética para outras. Não pulei ondas, não comi uvas e nem lentilha, mas admito que tenho medo de acreditar naquele dito dos 12 primeiros dias, porque, para meu desespero, comecei o ano, sem papel higiênico no meu banheiro!