domingo, 14 de fevereiro de 2010

Ideia de sucesso + Audiobook = ?


No ano retrasado, mais precisamente em outubro de 2008, eu me vi as voltas com uma ideia na cabeça e uma passagem para conhecimento nas mãos. Eis que eu tinha um microfone, o primeiro livro da saga Crepúsculo e uma vaga ideia de como se faziam audiobooks. Ler o livro em voz alta, usando inclusive de interpretação para as falas de personagens específicos e dar a cara a tapa nas tantas comunidades do orkut eram meios de conseguir que eu fosse reconhecida por alguma coisa considerada bacana, antes dos vinte anos.


Eu corri atrás. Gravei o prólogo e o primeiro capítulo em menos de uma semana, editei com uma música bonitinha no fundo e postei no youtube, usando de imagem a capa do livro. Só me faltava a coragem de divulgar o dito cujo no orkut e no youtube mesmo, enquanto as pessoas descobriam sem querer o meu feito. E não é que várias descobriram sem querer? Algumas até mesmo descobriram com a ajuda de um perfil fake que eu criei, falando de mim na terceira pessoa, como minha querida professora de biologia costumava fazer.

Apesar de tudo, funcionou. As pessoas pediam mais e eu estava cada vez mais feliz com os elogios para a minha voz e pela minha iniciativa. Ao mesmo tempo em que corria para gravar os outros capítulos, mas eles nunca ficavam bons e o meu tempo ia se encolhendo com as tarefas, provas e trabalhos finais do meu curso de Administração. Acho que aquilo foi o começo de um sinal que estaria por vir.

Recebi alguns: "Nossa, parabéns! Eu recomendei teu audiobook para uma pessoa cega que eu conheço!". Aquelas frases me fizeram ver que eu estava sendo egoísta em querer aproveitar o "sucesso" que eu poderia fazer usando um audiobook informal para meu próprio bem. Eis que um tijolo caiu na minha cabeça e eu inventei de encontrar pessoas que quisessem trabalhar no audiobook comigo de forma totalmente altruísta. Não teríamos nenhum prestígio maior do que aquele que a equipe receberia.

Eu as encontrei e começamos os trabalhos. Viramos uma equipe que trabalha com projetos de audiobooks informais e sem fim lucrativo nenhum. Hoje, temos planos de entregar nossos audiobooks para instituições que queiram aceitar nossa doação. Temos inclusive algumas instituições que já se interessaram. Isso me deixa mais aliviada.

Um comentário:

Se sinta à vontade para comentar o que quiser sobre o artigo lido, apenas mantenha o respeito às pessoas.