sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Resenha: uma em um milhão

A história é sempre a mesma: abrir um editor de texto, colocar os dedos a funcionar e tentar ser coerente ao digitar as palavras certas para expressar o que eu senti lendo tal livro. Fácil. Não, nem um pouco. Pelo menos, não com um livro do qual eu tenha gostado muito. Essa história sempre acaba com o editor de texto perguntando se eu quero salvar as três linhas que eu escrevi e comigo levantando da cadeira e amaldiçoando ser tão inútil a ponto de não conseguir resenhar um livro.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Joss Stone, uma inspiração. Por que não?

Eu não gosto de perguntas pessoais. Não enquanto eu esteja sóbria. E isso porque eu nunca vou responder a verdade. Se é sim e eu tenho vergonha disso, eu vou dizer que não. Se é sim e eu não tenho vergonha disso, eu vou desconversar e não vou responder. Essa semana eu tive que responder uma das perguntas mais chatas que alguém já me fez. Não foi exatamente pessoal, mas a resposta dessa pergunta revela muita coisa sobre mim e isso é bem pessoal. Pensei em desconversar, pensei em não levar isso adiante, mas acho que eu preciso divagar para mim mesma o porquê de a Joss Stone se tornar uma inspiração para mim.