sábado, 14 de março de 2015

Dia 5 #30DiasdeDesafiodeEscrita

Hey!

O desafio do quinto dia foi engraçado para mim porque nada saiu como planejado (o que é melhor, né?). O dia de hoje me pedia para pensar em uma palavra, pesquisar essa palavra no Google Imagens, contar a sétima imagem e escrever uma história sobre ela. Terminando de ler o que o desafio pedia, eu ergui a cabeça e dei de cara com o desenho do lampião das Crônicas de Nárnia que eu tenho na minha parede. Lampião era a minha palavra. Coloquei a palavra no Google e só quando as imagens do Virgulino Ferreira da Silva começaram a pipocar no monitor, eu entendi que não escreveria sobre o poste à gás que ilumina as ruas, mas sim sobre o cangaceiro mais famoso do país. Completamente inesperado. Parabéns para mim. Abaixo as minhas aventuras com a imagem do Lampião:



"Parei em frente ao quadro sem ter muita certeza do motivo porque tinha parado. Encarei o retrato do homem já não jovem e me perguntei porque aquela foto em sépia tinha chamado tanto a minha atenção. Alguma coisa da silva, eu acho que era o nome dele, mas a legenda do retrato apenas indicava “Lampião”. Eu já tinha visto aquele homem aparecer como personagem em filmes, séries e ele tinha aparição constante nas conversas que rolavam durante as aulas de história, mas eu não saberia dizer exatamente quem ele tinha sido. O terror do sertão nordestino, eu tinha ouvido sobre ele. Marido da Maria Bonita, que não era bonita, eu também tinha ouvido dizerem. A polícia tinha cortado fora a cabeça dele, da esposa e do bando de cangaceiros, eu também tinha ouvido. E visto um retrato. Eu preferia esse retrato aqui, por falar nisso. Não tinha sangue, não tinha morte, não tinha terror e não tinha o menor sinal de troféu de guerra. Lampião tinha sido um cara mau, eles diziam, mas o homem no retrato não me passava isso. Ele podia ser um intelectual com aqueles óculos redondos, as sobrancelhas grossas e os lábios apertados. Olhava para a câmera antiga que tirara seu retrato como quem olha para algo curioso, como se não tivesse posado para a foto. Me passava tranquilidade, por mais incrível que parecesse."

Não foi o melhor, mas cumpri o que eu queria.
Até amanhã ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se sinta à vontade para comentar o que quiser sobre o artigo lido, apenas mantenha o respeito às pessoas.