segunda-feira, 23 de março de 2015

Dias 9 e 10 #30DiasdeDesafiodeEscrita

Olá!

Então, já comecei a faltar com a escrita por motivos de "não conseguir". O desafio do nono dia era escrever um poema livre sobre a fórmula da felicidade e eu não consigo de jeito nenhum escrever um poema. Não consigo escrever frases curtas, rimar ou qualquer coisa que fique parecida com um poema. Nem música, obviamente. Então, eu vou pular o nono dia de desafio, galera. Me julguem, mas não vai ter poema no Cometa de Ideias.

Já o décimo dia de desafio, mais acessível, me pedia para olhar para a esquerda e usar o primeiro objeto que eu vi como metáfora para uma ideia abstrata. É muito abstrato, metáfora e subjetividade para uma mesma frase, mas eu olhei para a minha esquerda e encontrei um baú grande de madeira que meu pai fez para mim no ano passado. Vamos lá:



"Era uma caixa simples de madeira, mas pesava como se fosse feita de ouro. Uma caixa simplória, com frestas e pintura rudimentar, mas que ela conhecia como o mais perfeito baú que já tinha existido. Abria a tampa de vez em quando, jogava alguma coisa lá para dentro e esquecia que estava lá. Era quase como um coração, aquele que a gente imagina. O baú não era um cérebro e não era, definitivamente, um estômago, era um coração. Não era perfeito, cometia seus erros, mas cumpria com seu objetivo. Ela se abria de vez em quando, deixava alguém entrar e, de vez em quando, esquecia que tinha alguém lá dentro. De vez em quando, ela buscava algo perdido no baú e colocava para fora. Nunca tinha feito uma limpeza completa, entretanto. Não era possível."

Uma bosta, com o perdão da palavra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se sinta à vontade para comentar o que quiser sobre o artigo lido, apenas mantenha o respeito às pessoas.